Estado? Em equilíbrio

19 de Abril de 2018

Nunca como nos dias de hoje se falou tanto em equilíbrio. A moda da alimentação, do desporto veio para ficar, e o “moto” é ser saudável. As redes sociais e profissionais inundam-nos com fotografias e artigos alusivos ao tema e todos vivemos a sonhar com o dia em que somos a personificação desse mesmo idílico. Corpos saudáveis, em mentes saudáveis, enquadrando uma carreira profissional das 9h às 18h, onde o dia oferece tempo para o ginásio, para os amigos e família e para nós próprios. Será mito ou uma possível realidade? Num lado da balança, uma cultura de trabalho ainda altamente conservadora, estereotipada, onde organizações tentam dar a volta e ajustar-se, algumas delas com uma herança pesada e cuja ausência de agilidade dificulta o processo. Outras criam-se de raiz com esse pressuposto, vivendo o “aqui” e “agora” mas muitas com uma longevidade reduzida. No outro lado da balança os profissionais: os mais juniores que se alimentam desta visão virtual que nos inunda a todos os momentos, vivendo eles próprios o fervor da experiência, do presente; e os seníores, que há muito esqueceram o significado de “equilíbrio”. Quão importante se torna assim entender quais os pilares basilares da nossa vida? E como podem as empresas valorizar a sua cultura para atrair, e fundamentalmente, reter os seus talentos? Numa altura em que a diminuição da taxa de desemprego se acentua, e em que assistimos à escassez de recursos nalguns setores de atividade, nunca o sentido do “equilíbrio” foi tão importante para a tomada de decisão de alguns candidatos no que respeita à mudança. Falamos de salário emocional – temas como Home Office, flexibilidade, dias de férias sob forma de recompensação de horas extra, acordos com ginásios e workshops de vida saudável, viagens como prémio aos colaboradores com melhor desempenho, poderão ser o indicador de que os pilares basilares da cultura da empresa estão alinhados com os do candidato a recrutar, o que não só permite às organizações gerar entusiasmo e compromisso, mas também unificar uma missão e cultura da própria empresa que promove o equilíbrio no seu todo.